Quem foi Melanie Klein, uma das maiores psicanalistas da história | ANEP
A ANEP (Associação Nacional de Estudos Psicanalíticos) mantém Cursos de Formação e Especialização em Psicanálise e Psicoterapias Psicanalíticas e Saúde Mental em Sorocaba.
anep,psicanalise,Freud,Sorocaba,Campolim,jung,lacan,melanie klein,associação nacional de estudos psicanalíticos,curso psicanalise,curso psicanalise a distancia,curso de psicanalise,psicanalise curso, curso de psicanalise EAD, curso de psicanalise on line,psicoterapia,psicoterapias,cursos de formação em psicanálise,psicoterapia psicanalítica, saúde mental,pós-graduação,freudiana, psicanálise Freud,
17570
post-template-default,single,single-post,postid-17570,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-17.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.1,vc_responsive

Quem foi Melanie Klein, uma das maiores psicanalistas da história

 Austríaca ampliou os ensinamentos do pai da psicanálise, Sigmund Freud, e inspirou um grupo de discípulos conhecidos kleinianos.

A austríaca Melanie Klein ampliou conhecimentos de Sigmund Freud para criar teorias próprias e, por isso, tornou-se inspiração para outros nomes e estudantes da psicanálise. Ela morreu aos 78 anos em 22 de setembro de 1960, em Londres, vítima de um câncer do cólon. No entanto, seu legado é estudado até hoje. Conheça a vida e o trabalho de Klein:

Infância e casamento
Melanie Klein, nascida Melanie Reizes, nasceu no dia 30 de março de 1882 em Viena, na Áustria. Filha de um médico, cresceu em um ambiente de conflitos e marcado por tragédias. Quando tinha quatro anos, perdeu a irmã, de oito anos, vítima de tuberculose.

Aos 18, o pai dela morreu. E, aos 20, perdeu o irmão. Pouco após a morte do irmão, em 1903, casou com o engenheiro químico Arthur Klein, abandonando os estudos de Medicina e Arte e História. O casamento foi infeliz e durou 23 anos; o casal teve três filhos.

Contato com Freud
Por causa do trabalho do marido, Klein fazia constantes viagens. Em 1916, em Budapeste, teve o primeiro contato com o trabalho do austríaco Sigmund Freud, considerado o pai da psicanálise.

Ela começou a fazer análises com o húngaro Sándor Ferenczi, um dos colaboradores mais íntimos de Freud. Ele a incentivou a iniciar o atendimento de crianças — seu primeiro paciente foi o próprio filho de cinco anos de idade, sob o codinome Fritz. A partir de 1923, Klein passou a se dedicar integralmente à psicanálise.

As diferenças
Uma das maiores contribuições de Freud para a psicanálise foi a constatação de que existe um mal estar inerente à civilização, causado pela impossibilidade da satisfação plena de cada uma das pessoas.

Klein, por outro lado, identificou um mal estar mais primitivo nos seres humanos, já nos primórdios da relação entre a mãe e o bebê, em que o ciúme e a inveja, ainda que inconscientemente, aparecem no começo da vida. A austríaca usava brincadeiras e jogos para acessar esses sentimentos e pensamentos no inconsciente das crianças.

As desavenças
As teorias e métodos de Klein não eram uma unanimidade e ela foi alvo de críticas. A filha de Freud, Anna Freud, se tornou sua maior opositora. A controvérsia entre as duas estava no modelo de psicanálise de crianças que seria adotado: Anna defendia o trabalho cuidadoso das questões pedagógicas; já Klein propunha uma investigação profunda dos mecanismos mentais das crianças desde o nascimento.

Elas acabaram dando origem a um grupo de discípulos conhecidos como kleinianos na Sociedade Britânica de Psicanálise. Em 1945, a sociedade foi dividida em três grupos: annafreudianos (freud contemporâneo), kleinianos e independentes.

Fonte: Revista Galileu



X