Amor e paixão não são a mesma coisa. Psicanalista explica as diferenças | ANEP
A ANEP (Associação Nacional de Estudos Psicanalíticos) mantém Cursos de Formação e Especialização em Psicanálise e Psicoterapias Psicanalíticas e Saúde Mental em Sorocaba.
Amor Paixão
17398
post-template-default,single,single-post,postid-17398,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-17.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive

Amor e paixão não são a mesma coisa. Psicanalista explica as diferenças

Você sabe diferenciar o amor da paixão?

Pois saiba que, apesar das semelhanças, os sinais de que alguém está apaixonado são bem diferentes de quem está amando. O amor, normalmente, está relacionado a um sentimento bonito, estável e sereno, enquanto a paixão é tida como arrebatadora, turbulenta e, muitas vezes, sofrida.

Na paixão, enxergamos no outro aquilo que desejamos que ele fosse, e não o que ele realmente é. Ou seja, o parceiro é idealizado e transformado em um personagem. Já o amor estabelece um padrão mais homeostático. Vemos o outro com seus defeitos e suas virtudes, de forma mais estática, e o amamos mesmo sabendo que ele não é perfeito ou completo.

A palavra “paixão” vem do termo grego Pathos, cujo conceito está relacionado a sofrimento, a algo que nos invade, domina nossos pensamentos e nos faz sair do nosso controle. Por outro lado, o amor é menos intenso, mais pacato, mais confortável, mais controlável e menos temido.

Seria difícil estabelecer qual dos dois sentimentos tem mais valor. No período medieval, a paixão era considerada uma doença para a maioria das pessoas. Já para os românticos era uma forma, talvez a única, de se relacionar amorosamente.

Algumas pesquisas empíricas sustentam que a paixão duraria algo em torno de seis meses. No entanto, penso que determinar um tempo cronológico específico para a paixão seja como cercear as narrativas individuais, que são únicas e particulares. O amor parece ter uma vida mais longa. Para Nelson Rodrigues, “todo amor é eterno; se morreu, não era amor”.

Para a paixão se transformar em amor, primeiramente, ocorre uma quebra da fantasia criada em relação ao parceiro, que deixa de ser uma projeção e passa, lentamente, a ser visto como ele é. Neste processo há, naturalmente, uma perda afetiva imaginária, já que o ideal de perfeição primário dá lugar ao que é real. Assim que houver a aceitação desse processo e o surgimento de uma nova forma de identificação, o amor passa a existir.

Em suma, amor e paixão são estados que se parecem, mas, no fundo, são bem distintos e não se camuflam. São sentimentos em estágios diferentes e que manifestam sensações e reações que, muitas vezes, são desconhecidas por nós mesmos.

Por Alexandre Pedro, psicanalista pela Sociedade Internacional de Psicanálise de São Paulo; Master Practitioner de PNL filiado ao NLP Academy; Hipnoterapeuta filiado ao International Board of Hipnosys e ao National Guild of Hipnotists

Fonte: Site

Tags:
,


X